terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Há boas razões para acreditar que Deus existe?


É racional acreditar na existência do Deus padrão? Poderá apresentar-se uma boa razão ou um argumento irresistível a favor da sua existência? Alguns teístas dizem que não e baseiam a sua crença na fé, ou seja, acreditam sem provas ou razões. Outros teístas, pelo contrário, pensam que se podem construir argumentos para provar que o Deus padrão existe.
De facto, muitas espécies de razões foram apresentadas para acreditar em Deus (e as mesmas razões foram expostas para acreditar em deuses diferentes e incompatíveis). Algumas razões são facilmente classificadas de insatisfatórias. Por exemplo, o argumento de que Deus deve existir porque em quase todas as sociedades as pessoas acreditam nele. A aceitação generalizada de uma crença não é, decerto, uma boa razão para a aceitar. Muitas crenças falsas são ou foram quase universais (por exemplo, a de que a Terra é plana). Mais ainda, apesar de a crença num deus ou noutro ser quase universal, não há um deus em que a maioria das pessoas acredite. Como poderia, por exemplo, o facto de algumas pessoas acreditarem num deus crocodilo justificar a crença no Deus cristão? (Lembremos que a grande maioria dos crentes não acredita no Deus cristão)
Falta de razões para acreditar no contrário
Alguns crentes, notando que os agnósticos afirmam que não podemos provar que Deus não existe, seguem outra via. Argumentam que se não podemos provar que Deus não existe, então eles estão autorizados a acreditar que ele existe. Mas os ateus podem virar este argumento do avesso. Podem fazer notar que os agnósticos também afirmam que nós não podemos provar que Deus existe. Logo, se não podemos provar que Deus existe, estamos igualmente autorizados a acreditar que ele não existe. Um método de raciocínio que nos permite "provar" ambos os lados de uma disputa, não prova nenhum. A ausência de prova do contrário não é uma boa razão para acreditar em alguma coisa.
Argumentos cosmológicos
Vários argumentos estreitamente relacionados para a existência de Deus baseiam-se na aparente necessidade de o universo como um todo ter uma causa. Parecem existir três possibilidades. Ou o universo começou a existir por si só ou existiu desde sempre ou, então, foi trazido para a existência por alguma força ou ser extremamente poderoso. Geralmente, aqueles que acreditam em Deus acham incrível que o universo possa ter chegado à existência apenas por si mesmo e igualmente incrível que ele possa ter já existido durante uma quantidade infinita de tempo. Acreditam que um ser extremamente poderoso, Deus, o deve ter criado. Esta é uma das razões que as pessoas dão com mais frequência para acreditar em Deus.

Howard Kahane

5 comentários:

Volpi Pessoa disse...

Razão. Este é um dos grandes defeitos do homem moderno, só pensa e vive através da razão. O raionalismo deixou mracas profundas no nosso modo de pensar e querer busacar provas racionais para a crença (que por se baseia em ouro tipo de pensamento que não o racional) em Deus é absurdo.

Gonzague Truc tem uma ótima explicação para esse tema dentro da filosofia. Em meu blog citei suas palavaras, Link:

http://diariodephilosofia.blogspot.com/2009/01/o-problema-filosfico-gonzague-truc.htm

Nosso intelecto não está apto para ir além da compreensão da possibilidade da existência de Deus, sua prova vai além do que nossa razão pode conceber.

Volpi Pessoa

diariodephilosofia.blogspot.com

Hermes disse...

Obrigado por ser leitor deste blog.
Acha que é um defeito do homem moderno tentar encontar os fundamentos da nossa existência. Que alternativa propõe à razão? A emoção? Mas será que podemos dissociar a emoção da razão? As modernas investigações, de António Damásio por exemplo, apesar de enaltecerem o papel das emoções dizem-nos que não há emoções puras, tal como não há raciocínios puros.
A alternativa que nos resta é a aceitação "cega" da crença/fé? "Creio porque é absurdo"? A minha (de)formação racional não me permite aceitar isso.
O texto que refere e que publicou no seu blog, e que fui ler com interesse parece ser um pouco simplista. Reduzir a reflexão filosófica à reflexão acerca de Deus (quer para encontar na sua existência o sentido, quer aceitando o absurdo da sua existência)é uma forma redutora de ver a filosofia.
António Paulo

Volpi Pessoa disse...

Apenas acho que devemos aceitar as limitações que nos impõe nosso intecto. Não podemos conhecer tudo. Há limites e o conceito de Deus está além dele.

Volpi Pessoa

diariodephilosofia.blogspot.com

Hermes disse...

Mas parte dum pressuposto errado: parte do pressuposto que Deus existe e a "prova" que apresenta da sua existência é que Deus não se pode conhecer porque está além da nossa compreensão. Mas será que isso não seria razão suficiente para pensarmos que Ele não existe?
António Paulo

lara lopes de souza disse...

razoes!!!ha milhaares de razoes para acreditarmos q deus existe,uma delas seria o propio milagre da vida de poder de realizar,acredito em sua existencia como acredito no sobrenatural.o sobrenatural seria o natural mal explicado,se o natural tivesse explicaçao...afinal, o homem mesmo e um conseguente dessa açao!!!