quinta-feira, 3 de março de 2011

A JUSTIFICAÇÃO DO ESTADO E O ESTADO DE GUERRA

A maior obra de Hobbes, Leviatã (publicada em 1651), trata um assunto que o obcecou durante mais de vinte anos: os males da guerra civil e a anarquia que a acompanharia. Nada podia ser pior do que a vida sem a protecção do estado, afirma Hobbes, e, portanto, o governo forte é essencial para assegurar que não caímos na guerra de todos contra todos.
Mas por que razão pensava Hobbes que o estado de natureza seria tão desesperado, um estado de guerra, um estado de medo constante e risco de morte violenta? A essência da perspectiva de Hobbes é que, na ausência de governo, a natureza humana conduzir-nos-ia, inevitavelmente, ao conflito grave. Assim, para Hobbes, a filosofia política começa com o estado da natureza humana.
Hobbes defende a existência de duas chaves para a compreensão da natureza humana. Uma é o autoconhecimento. A introspecção honesta diz-nos muito sobre como são os seres humanos: a natureza dos seus pensamentos, esperanças e medos. A outra é o conhecimento dos princípios gerais da física. Hobbes pensava, como materialista que era, que, tal como para compreender o cidadão (o indivíduo na sociedade política) é necessário compreender a natureza humana, para compreender a natureza humana é preciso primeiro, compreender o “corpo”, ou a matéria, do qual, insistia, somos totalmente compostos.
Para os nossos fins, o aspecto mais importante da perspectiva da matéria avançada por Hobbes é a adopção do princípio enunciado por Galileu sobe a conservação do movimento. (…) “Quando uma coisa está em movimento, ficará eternamente em movimento, a menos que outra coisa a detenha.” Isto, pensava Hobbes, aplicava-se igualmente a nós próprios. Cansarmo-nos e desejarmos descansar não é mais do que um movimento diferente a agir sobre nós.
Assim, o princípio da conservação do movimento foi usado por Hobbes no desenvolvimento de uma visão materialista, mecanicista dos seres humanos.
A importância da teoria da conservação do movimento é que, com ela, Hobbes pinta um quadro dos seres humanos constantemente à procura de algo, nunca em repouso. Os seres humanos, afirma Hobbes, procura aquilo que ele chama “felicidade”: o sucesso contínuo na obtenção dos objectos de desejo. É a busca da garantia de felicidade que nos conduzirá à guerra, no estado de natureza. Em última instância, pensava Hobbes, o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas sem um estado, no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, conduziria a uma guerra de todos contra todos. Por que razão Hobbes pensou isto?
Pode encontrar-se uma pista na definição de poder avançada por Hobbes: o “meio actual para obter um Bem futuro aparente”. Assim, para se ter a certeza de que se alcançará a felicidade, é necessário tornar-se poderoso. As fontes de poder, afirma Hobbes, incluem riqueza, reputação e amigos, e os seres humanos possuem “um desejo insaciável de Poder atrás de poder, que cessa apenas com a Morte”. Isto verifica-se não apenas porque os seres humanos nunca poderão alcançar um estado de completa satisfação, mas também porque uma pessoa “não pode assegurar o poder e os meios para viver bem, que tem no momento, sem a aquisição de mais”. Os outros também procurarão aumentar o seu poder e, portanto, a busca de obtenção de poder é, pela sua própria natureza, competitiva.
As tentativas naturais e contínuas de aumentar o poder – ter riqueza e pessoas sob as suas ordens – conduzem à competição. Mas competição não é guerra. Então, por que razão a competição, num estado de natureza, há-de conduzir à guerra? Aqui, o passo importante é o pressuposto de Hobbes de que os seres humanos, por natureza, são “iguais”. O pressuposto da igualdade natural é frequentemente utilizado na filosofia política e moral como base para o argumento de que devemos respeitar as outras pessoa, tratando-as mutuamente com respeito e delicadeza. Mas Hobbes dá ao pressuposto uma utilização bastante diferente, conforme poderemos suspeitar ao ver como apresenta a questão: somos iguais no sentido em que todos os seres humanos possuem aproximadamente o mesmo nível de força e capacidade e, portanto, qualquer ser humano tem a capacidade de matar outro.
A isto, Hobbes acrescenta o pressuposto razoável de que no estado de natureza há escassez de bens, de forma que duas pessoas que desejem o mesmo tipo de coisas acabarão frequentemente por desejar possuir a mesma coisa. Por fim, Hobbes sublinha que ninguém, no estado de natureza, consegue tornar-se invulnerável à possibilidade de ataque. Seja o que for que eu possua, os outros poderão desejá-lo e, portanto, terei de estar constantemente alerta. Contudo, mesmo que nada possua, não poderei livrar-me do medo. Os outros podem ver-me como uma ameaça a eles e, por isso, poderei facilmente ser vítima de um ataque preventivo. Destes pressupostos de igualdade, escassez e incerteza conclui-se, afirma Hobbes, que o estado de natureza será um estado de guerra.
WOLFF, Jonahan, Introdução à Filosofia Política, 1ª edição, 2004. Lisboa: Gradiva, pp. 20-24

De que forma Hobbes justifica a necessidade de se constituir um estado? Deixa a tua resposta na caixa de comentários.

23 comentários:

Tiago Tojal disse...

Para justificar a necessidade do Estado Soberano, formulou uma teoria hipotética.

Hobbes desenvolveu a sua teoria utilizando o método resolutivo-compositivo. Resolutio em latim, resolutivo, é a análise, enquanto que compositio em latim, compositivo, é a síntese, a composição daquilo que foi detalhadamente analisado.

Anónimo disse...

"De que forma Hobbes justifica a necessidade de constituir um estado?"

Hobbes defende que se não houvesse protecção do estado, era uma desgraça e dessa maneira considera que o governo é forte e essencial para que não haja guerra.
A filosofia politica começa com o estado de natureza humana. Segundo Hobbes temos de reconhecer duas chaves para compreender a natureza:
1-O AUTOCONHECIMENTO, a natureza dos nossos pensamentos, esperanças e medos.
2- O CONHECIMENTO DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA FÍSICA.

Hobbes pensava que para compreender o cidadão é necessário compreender a natureza humana e para compreender esta é preciso primeiro compreender a matéria de que somos compostos, o nosso "corpo".

Para Hobbes, o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas, sem uma estado no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, conduziria a uma guerra de todos contra todos. isto porque, para Hobbes para termos a certeza que encontramos a felicidade é necessário tornarmos-nos poderosos(riqueza, reputação e amigos). Mas aqui começa uma competição, pois os não poderoso vão querer ser poderosos e tentar alcançar os poderes dos outros.

Para Hobbes os seres humanos são todos "iguais", no sentido em que todos os seres humanos possuem aproximadamente o mesmo nível de força e capacidade, assim, qualquer ser humano tem a capacidade de matar outro. O estado de natureza será um estado de guerra.

Podemos então concluir que para Hobbes é muito importante e necessário constituir um estado, não só para a nossa protecção, mas também para a nossa felicidade.


Maria Corujo nº24 10ºC

Ricardo Silva Nº18 10ºC. disse...

Hobbes defende que se não houvesse protecção do estado, era quase impossível a existência de uma sociedade.
Hobbes pensava que para compreender o cidadão é necessário compreender a natureza humana e para compreender a natureza humana é fundamental primeiro compreender o nosso corpo.
Para Hobbes, o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas, sem um estado no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, levaria a uma guerra de todos contra todos pois todos iriam agir segundo a máxima de “Fazer o que é melhor para mim” o que levaria a enormes conflitos.
Podemos então concluir que para Hobbes é de extrema importância constituir um estado, não só para a nossa protecção, mas também para a nossa felicidade.

Bruno Francisco Lima nº4 10ºC disse...

Hobbes afirma que o Estado é necessário para manter a ordem numa nação. Segundo ele, o Estado oferece protecção e garante que todos os cidadãos são tratados de maneiras iguais.

Luís Ramos disse...

Hobbes diz que para manter a estabilidade numa nação é preciso um estado. Hobbes diz também que o estado dá protecção a todos os cidadãos e trata-os de maneira bastante igual. Segundo ele o estado é fundamental para o país.

Roxanne, 10ºC, nº19 disse...

Hobbes diz que o estado é essencial para nos proteger de cairmos em guerras e conflitos. É essencial para por ordem, limites e regras. Hobbes diz tambem que a existencia de um estado é essencial para podermos ser felizes, pois, todos procuramos a felicidade mas se essa procura nao fosse governada por normas (como o estado impoe) levaria a guerras entre os homens. Logo, o estado é essencial.

Tatiana disse...

Hobbes justifica a necessidade de se constituir um estado formulando uma teoria na qual defende que se não houvesse a protecção do estado viveríamos rodeados pela desgraça e por isso considera que o governo tem de ser forte e é essencial para que não exista guerra.
segundo Hobbes à temos de reconhecer duas chaves para compreender a natureza, pois a filosofia política começa com o estado de natureza humana, são eles o auto-conhecimento e o conhecimento dos princípios gerais da física.

Em conclusão, Hobbes afirma que o estado é necessário para manter a ordem e a disciplina da nação. pois, segundo Hobbes o estado oferece protecção aos cidadãos e garante-lhes que serão todos tratados da mesma forma.

Tatiana Gomes Nº 22 .... 10ºc

danielferreira disse...

Hobbes desenvolveu a sua teoria utilizando o método resolutivo-compositivo. Resolutio em latim, resolutivo, é a análise, enquanto que compositio em latim, compositivo, é a síntese, a composição daquilo que foi detalhadamente analisado. Para Hobbes os seres humanos são todos "iguais", no sentido em que todos os seres humanos possuem aproximadamente o mesmo nível de força e capacidade, assim, qualquer ser humano tem a capacidade de matar outro. O estado de natureza será um estado de guerra.

Miguel Tomás Nº7 10ºC disse...

Segundo Hobbes, um país necessita de um estado que assegure a protecção, alguém que mantenha a ordem, uma autoridade.. penso que se não houvesse estado, o país seria uma espécie de ''Republica das Bananas''. e ninguém pode afirmar querer viver num país assim...

marcia disse...

Hobbes, diz que para estar tudo em ordem numa nação é necessário um estado. Um estado é essencial, se não houvesse um estado, andava tudo ‘’por si’’, tudo sem regras, sem limites, ‘’fora da ordem’’. Se assim fosse não éramos felizes, pois todos iriam querer o mesmo, e para obter o que queriam , iriam arranjar guerras e conflitos.

Márcia Catarina nº13 10c

Anónimo disse...

Para Hobbes, os países precisam de um estado que crie regras e leis, e que as faça cumprir para que as pessoas vivam em segurança.
Caso o estado não existisse, as pessoas fariam aquilo que queriam, como roubar ou matar os outros, e não seriam punidos por isso, gerando assim um mundo conflituoso e em guerra.

Sara Fernandes n.º20 10.ºC

André Martins disse...

Para Hobbes, o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas, sem uma estado no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, conduziria a uma guerra de todos contra todos. isto porque, para Hobbes para termos a certeza que encontramos a felicidade é necessário tornarmos-nos poderosos(riqueza, reputação e amigos). Mas aqui começa uma competição, pois os não poderoso vão querer ser poderosos e tentar alcançar os poderes dos outros.
Em conclusão, Hobbes afirma que o estado é necessário para manter a ordem e a disciplina da nação. pois, segundo Hobbes o estado oferece protecção aos cidadãos e garante-lhes que serão todos tratados da mesma forma.

André Martins disse...

nº3 10ºc

Paula Lopes Nº15 10ºC disse...

Hobbes afirma que o estado é importante pois na ausencia dele a natureza humana conduzirnos-ia a um conflito grave. Para Hobbes a filosofia politica começa com o estado da natureza humana. Existindo, para ele, duas chaves para a compreensão desta natureza: o autoconhecimento e conhecimento dos princípios gerais da física.
Segundo Hobbes, o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas, sem uma estado no estado de natureza, a procura de felicidadec onduziria assim para uma guerra de todos contra todos.
Em conclusão, Hobbes afirma que o estado é necessario para manter a ordem, oferecendo-lhes protecção sendo tratados de forma igual.

Sara Oliveira, nº21, 10ºC disse...

Hobbes defende a criação de um Estado, pois só ele é capaz de acabar com esse estado de guerra que é natural do ser humano, pois este tenta sempre encontrar a sua felicidade.

Ricardo Silva Nº18 10ºC disse...

hobbes justifica o estado disendo que ele é necessario não só para nossa proteclão mas também como forma de sermos mais felizes.

carina coelho disse...

Para Hobbes o estado é importante, uma vez que "Nada podia ser pior do que a vida sem a protecção do estado,...". O governo é essencial para assegurar que não caímos na guerra.

Hobbes diz que na ausencia do governo, a natureza conduzir-nos-ia ao conflito grave, logo teremos que compreender a natureza humana.

Acrescenta ainda que "o medo da morte leva os seres humanos a criarem um estado. Mas sem um estado, no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, conduziria a uma guerra de todos contra todos."

Assim, para Hobbes interessa a nossa felicidade, a ausencia de conflitos e, principalmente, a nossa protecção.

Nuno nº14 10ºC disse...

Um Estado é essencial para assegurar que não caímos na guerra de todos contra todos. A essência da perspectiva de Hobbes é que, na ausência de Estado, a natureza humana conduzir-nos-ia, inevitavelmente, ao conflito grave. Sem um Estado, no estado de natureza, a procura de felicidade, segundo Hobbes, conduziria a uma guerra de todos contra todos.
Segundo Hobbes,o Estado é necessário para manter a estabilidade numa sociedade. Para Hobbes o Estado é importante porque oferece protecção a todos os cidadãos e, para além disso, garante que sejamos felizes.

Carla Duarte disse...

Hobbes para justificar a necessidade do Estado Soberano, formulou uma teoria hipotética.
Hobbes defende que se não houvesse protecção do estado, era uma desgraça e dessa maneira considera que o governo é forte e essencial para que não haja guerra.

Carla Duarte disse...

Hobbes para justificar a necessidade do Estado Soberano, formulou uma teoria hipotética.
Hobbes defende que se não houvesse protecção do estado, era uma desgraça e dessa maneira considera que o governo é forte e essencial para que não haja guerra.

José Alexandre Teixeira nº11 10ºC disse...

Segundo Hobbes, uma nação necessita de um estado que assegure a ordem e a autoridade, pois sem estes aspectos de uma nação, os valores que iriam surgir era desordem e uma liberdade incontrolada. Isto iria dar a um género de anarquia.
Hobbes defende a existência de duas chaves para a compreensão da natureza humana. Uma é o autoconhecimento. A outra é o conhecimento dos princípios gerais da física.

Carolina Silva, nº8 10ºC disse...

Para justificar a necessidade do Estado Soberano, formulou uma teoria hipotética.
Para ele, os seres humanos são no sentido em que todos os seres humanos possuem aproximadamente o mesmo nível de força e capacidade, assim, qualquer ser humano tem a capacidade de matar outro. O estado de natureza será um estado de guerra.
Concluio então que para Hobbes é necessário constituir um estado.

anacruz 10ºc disse...

Hobbes afirma que o estado é necessário para manter a ordem e a disciplina da nação. pois, segundo Hobbes o estado oferece protecção aos cidadãos e garante-lhes igualdade e Hobbes tambem nos informa que a existencia de um estado é fundamental para podermos ser felizes, pois, todos procuramos a felicidade mas se não existisse normas e portanto um estado existiria guerras, por isso o governo é importante.