domingo, 25 de dezembro de 2011

O que é o conhecimento?

1. Tipos de Conhecimento
No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por dados, e dizemos que elas têm justificação ou que estão bem fundamentadas. A epistemologia é a parte da filosofia que tenta entender estes conceitos. Os epistemólogos tentam avaliar a ideia, própria do senso comum, de que possuímos realmente conhecimento. Alguns filósofos tentaram apoiar com argumentos esta ideia do senso comum. Outros fizeram o contrário. Os filósofos que defendem que não temos conhecimento, ou que as nossas crenças não têm justificação racional, estão a defender uma versão de cepticismo filosófico.
Antes de discutirmos se temos ou não conhecimento, temos de tornar claro o que é o conhecimento. Podemos falar de conhecimento em três sentidos diferentes, mas apenas um nos vai interessar. Considerem-se as seguintes afirmações acerca de um sujeito, ao qual chamarei S:
  1. S sabe andar de bicicleta.
  2. S conhece o Presidente dos EUA.
  3. S sabe que a Serra da Estrela fica em Portugal.
Chamo conhecimento proposicional ao tipo de conhecimento apresentado em 3. Note-se que o objecto do verbo em 3 é uma proposição — uma coisa que é verdadeira ou falsa. Existe uma proposição — a Serra da Estrela fica em Portugal — e S sabe que essa proposição é verdadeira.
As frases 1 e 2 não têm esta estrutura. O objecto do verbo em 2 não é uma proposição, mas uma pessoa. O mesmo aconteceria se disséssemos que S conhece Lisboa. Uma frase como 2 diz que S está ou esteve na presença de uma pessoa, de um lugar ou de uma coisa. Por isso dizemos que 2 corresponde a um caso de conhecimento por contacto.
Existe alguma ligação entre estes dois tipos de conhecimento? Possivelmente, para que S conheça o Presidente dos Estados Unidos, terá de ter conhecimento proposicional acerca dele. Mas qual? Para que S conheça o Presidente terá de saber em que Estado ele nasceu? Isso não parece essencial. E o mesmo parece acontecer relativamente a todos os outros factos acerca dele: não parece haver qualquer proposição específica que seja necessário saber para se possa dizer que se conhece o Presidente. Conhecer uma pessoa implica, isso sim, ter um tipo qualquer de contacto directo com ela.
Chamemos ao tipo de conhecimento exemplificado em 1 conhecimento de aptidões. Que significa dizer que se sabe fazer alguma coisa? Penso que isto tem pouco a ver com o conhecimento proposicional. Uma pessoa pode saber andar de bicicleta aos cinco anos, e para isso não precisa de saber qualquer proposição acerca desse facto. O contrário também pode acontecer: uma pessoa pode ter muito conhecimento proposicional acerca de um assunto — de pintura, por exemplo — , e não ter qualquer conhecimento de aptidões a esse respeito.
Vamos aqui abordar apenas o conhecimento proposicional. Queremos saber o que é necessário para que um indivíduo S saiba que p, sendo p uma proposição qualquer — como a de que a Serra da Estrela fica em Portugal. Daqui em diante, quando falarmos de conhecimento, estaremos sempre a referir-nos ao conhecimento proposicional.
2. Condições Necessárias e Suficientes
Consideremos a definição de solteiro:
Para qualquer S, S é solteiro se e somente se:
1.    S é um adulto,
2.    S é homem,
3.    S não é casado.
Não digo que esta definição capta com precisão o que «solteiro» significa em português comum. Usamos apenas esta definição como um exemplo de uma proposta de definição. Uma definição é uma generalização. Diz respeito a qualquer indivíduo que queiramos considerar. Nesta definição fazemos duas afirmações: a primeira é a de que SE um indivíduo tem as características 1, 2 e 3, então é solteiro. Por outras palavras, 1, 2 e 3 são, em conjunto, suficientes para que se seja solteiro. A segunda afirmação é a de que SE um indivíduo é solteiro, então tem as três características. Por outras palavras, 1, 2 e 3 são, cada uma delas, condições necessárias para se ser solteiro.
Uma boa definição especifica as condições suficientes e necessárias para o conceito que queremos definir. Isto significa que existem dois tipos de erros que podem ocorrer numa definição: as definições podem ser demasiado abrangentes ou demasiado restritivas.
3. Dois Requisitos para o Conhecimento: Crença e Verdade
Devemos fazer notar duas ideias que fazem parte do conceito de conhecimento. Primeiro, se S sabe que p (que uma proposição é verdadeira), então tem de acreditar que p. Segundo, se S sabe que p, então p tem de ser verdadeira. O conhecimento requer tanto a crença quanto a verdade. Comecemos pela segunda ideia. As pessoas às vezes dizem que sabem coisas que mais tarde se revelam falsas. Mas isto não é saber coisas que são falsas, é pensar que se sabem coisas que, de facto, são falsas.
O conhecimento tem um lado subjectivo e um lado objectivo. Um facto é objectivo se a sua verdade não depende de como é a mente das pessoas. É um facto objectivo que a Serra da Estrela está 2 000 metros acima do nível do mar. Um facto é subjectivo se não é objectivo. O exemplo mais óbvio de um facto subjectivo é uma descrição do que acontece na mente de alguém.
Se uma pessoa acredita ou não que a Serra da Estrela está a 2 000 metros acima do nível do mar é uma questão subjectiva, mas se a montanha tem realmente essa propriedade é uma questão objectiva. O conhecimento requer tanto um elemento subjectivo como um elemento objectivo. Para que S conheça p, p tem de ser verdadeira e o sujeito, S, tem de acreditar que p é verdadeira.
4. Terceiro Requisito: Justificação
Apontei duas condições necessárias para o conhecimento: o conhecimento requer crença e requer verdade. Mas será que isto é suficiente? Será que estas duas condições não são apenas separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes? É a crença verdadeira suficiente para o conhecimento?
Pensemos num indivíduo, Clyde, que acredita na história do Dia do Porco do Campo. Clyde pensa que se o Porco do Campo vir a sua própria sombra, a Primavera virá mais tarde. Suponha-se que Clyde põe este princípio idiota em prática este ano. Ele tem informações que o fazem pensar que a Primavera virá mais tarde. Suponha-se que Clyde acaba por ter razão acerca deste facto. Se não existir nenhuma conexão lógica entre o facto de o porco do campo ter visto a sua própria sombra e o facto de a Primavera vir mais tarde, então Clayde terá uma crença verdadeira (a Primavera virá tarde), mas não terá conhecimento.
Que será então necessário, para além da crença verdadeira, para que alguém possua conhecimento? A sugestão mais natural é a de que o conhecimento requer dados de apoio, ou uma justificação racional. Note-se que ter uma justificação não é apenas pensar que se tem uma razão para acreditar em algo.
Que significa dizer que um indivíduo tem uma crença «justificada» na proposição p? Uma justificação pode ter a forma de um argumento dedutivo, de um argumento indutivo ou de um argumento abdutivo. Talvez existam outras opções além destas três. Mas, o que quer que seja que entendemos por «justificação», parece plausível dizer que as crenças que são defendidas irracionalmente não são casos de conhecimento (mesmo que elas sejam verdadeiras).
5. A Teoria CVJ
Suponhamos que o conhecimento requer estas três condições. Será que isto é suficiente? Será que estas condições não são apenas separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes? Chamarei CVJ à teoria que afirma que assim é. Esta teoria diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas:
(CVJ) Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se e somente se
1.    S acredita em p
2.    p é verdadeira
3.    a crença de S em p está justificada
A Teoria CVJ afirma uma generalização. Diz o que é o conhecimento para qualquer pessoa e para qualquer proposição p. Por exemplo, suponhamos que S és tu e que p = «A Lua é feita de queijo verde». A teoria CVJ diz o seguinte: se sabes que a Lua é feita de queijo verde, então os enunciados 1, 2 e 3 devem ser verdadeiros. E se não sabes que a Lua é feita de queijo verde, então pelo menos um dos enunciados de 1 a 3 deve ser falso. Tal como na definição de solteiro discutida antes, a expressão «se, e somente se» diz-nos que são dadas condições necessárias e suficientes para o conceito definido.
Retirado do livro Core Questions in Philosophy, de Elliott Sober (Prentice Hall, 2008)

TAREFA
Em que consiste a teoria da crença verdadeira justificada?

42 comentários:

Cristiana, nº6, 11ºA disse...

A teoria da crença verdadeira justificada consiste em explicar as condições para que haja conhecimento do tipo proposicional, em que essas condições são isoladamente necessárias e conjuntamente suficientes. Com este efeito, apresenta o seguinte modelo:
Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada
Estas condições são necessárias e suficientes para que haja conhecimento em relação a um determinado conceito. Por exemplo:
Casada
1. S é um adulto,
2. S é mulher,
3. S não é solteira.
Segundo a teoria, a condição de alguém ser adulto é necessária para que seja casada, embora haja em alguns países casamentos muito precoces, tal como as condições de ser mulher e não ser solteira separadamente representam condições necessárias para se ser casada. São apenas necessárias isoladamente, pois se agora fossem isoladamente suficientes, em relação ao ponto 3, por exemplo, poderíamos dizer que não ser solteira pode corresponder a ser viúva, o que quer dizer que a condição de não ser solteira seria suficiente quer para se ser casada quer para se ser viúva, por exemplo. Daí esta teoria ser coerente.
Quanto à suficiência que as condições apresentam conjuntamente é perfeitamente aceitável, pois se uma pessoa for adulta, for mulher e não for solteira, ambas em simultâneo, formam um conjunto de condições que são suficientes para que essa pessoa seja casada.

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas. Defende que esse conhecimento requer três condições e que essas são separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes. Essas condições seguem o seguinte modelo:
Para um indivíduo S e para qualquer proposição p, Se e só se S conhece p, então:
1. S acredita em P;
2. p é verdadeira;
3. a crença de S em p está justificada.
Imaginemos o seguinte exemplo:
"Eu sei que os extraterrestres existem."
Para eu saber que os extraterrestres existem tenho que cumprir com aquelas três condições. Se não cumprir com uma das condições, então é falso que eu sei que há extraterrestres.

Raquel Martins nº19 11ºA

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas.
Ou seja;
Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se, e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada.

Esta teoria afirma uma generalização. Afirma o que é o conhecimento para qualquer pessoa e para qualquer proposição p.
Por exemplo, suponhamos que S é um de nós e p é "Os vampiros existem". A teoria da crença verdadeira justificada diz que: se sabes que os vampiros existem, então os enunciados 1, 2 e 3 são verdadeiros. E se não sabes que os vampiros existem, então pelo menos um dos enunciados é falso. A expressão "se, e somente se" diz-nos que são dadas condições necessárias e suficientes para o conceito dado.

Beatriz Martinho, nº1, 11º A

Júlia, nº14, 11ºA disse...

A teoria da Crença Verdadeira e Justificada diz-nos que há 3 condições para que um conhecimento seja proposicional, sendo estas necessárias isoladamente e conjuntamente suficientes.
S conhece p se, e só se:
1- S acredita em p
2- P é verdadeira
3- A crença de S em p está justificada
Supondo que S = eu e p = o céu é feito de cristal, só sei que o céu é feito de cristal se as três condições acima forem cumpridas. Se, por exemplo, não tiver justificações para a minha crença, esta não pode ser verdadeira (para que o seja têm que ser cumpridas as três condições, daí estas serem suficientes).

i disse...

A teoria da crença justificada consiste num conjunto de condições que separadamente são necessárias e em conjunto suficientes para que determinado facto seja visto como um conhecimento.

Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada

No fundo, a CVJ foi um método desenvolvido no âmbito de definir (ou tentar) o que é e o que não é conhecimento;
Se tivermos uma crença, acreditarmos nela, mas não houverem bons argumentos ao seu serviço ou boas razões que provem, essa crença não pode ser tomada como conhecimento, tal como outra qualquer que não satisfaça as 3 condições anteriores.

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada consiste em explicar as condições para que haja conhecimento do tipo proposicional, em que essas condições são separadamente necessárias e conjuntamente suficientes. Assim, apresenta o seguinte modelo:
Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada

A teoria CVJ afirma uma generalização. Diz o que é o conhecimento para qualquer pessoa e para qualquer proposição p. Por exemplo, suponhamos que S sou eu e que p é “O mar é feito de azeitonas”. Esta teoria diz-nos que se eu sei que o mar é feito de azeitonas, então os pontos 1,2 e 3 devem ser verdadeiros. E se eu não sei que o mar é feito de azeitonas, então pelo menos um dos pontos de 1 a 3 deve ser falso. Esta teoria diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas.


Márcia 11ºc

Fábio Santos nº 10 11ºA disse...

Crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma, que para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:

1. P é verdadeiro
2. S acredita que P é verdadeiro, e
3. S e justificado em acreditar que P é verdadeiro

Pedro Martins 11ºC disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas,ou seja,para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se, e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada.

Esta teoria afirma uma generalização. Afirma o que é o conhecimento para qualquer pessoa e para qualquer proposição p.
Por exemplo, suponhamos que S é um de nós e p é "Os vampiros existem". A teoria da crença verdadeira justificada diz que: se sabes que os vampiros existem, então os enunciados 1, 2 e 3 são verdadeiros. E se não sabes que os vampiros existem, então pelo menos um dos enunciados é falso. A expressão "se, e somente se" diz-nos que são dadas condições necessárias e suficientes para o conceito dado.

Margarida Silva, nº3, 11ºA disse...

A Teoria da Crença Verdadeira Justificada define três condições para que haja conhecimento. Vejamos: S conhece P se e somente se:
* S acredita em P;
* P é verdadeira;
* A crença de S em P está justificada.

Esta teoria assenta numa generalização, ou seja, pressupõem-se que as três condições apresentadas acima se encaixam em qualquer contexto. Define também que, para casos em que não há conhecimento, pelo menos uma das condições acima enumeradas é falsa; nos casos em que há, todas as condições são verdadeiras. Finalmente, aqui deparamo-nos com condições necessárias e condições suficientes, contextualizadas com a realidade em questão.

Bruno F. Lima nº5 11ºC disse...

Crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:

P é verdadeiro
S acredita que P é verdadeiro, e
S e justificado em acreditar que P é verdadeiro

Paula Lopes Nº15 11ºC disse...

A teoria da crença verdadeira justificada consiste em tentar mostrar duas condiçoes necessarias que em conjunto são a condição suficiente para haver conhecimento, por isso, é apresenta com a seguinte estrutura:

Um sujeito S sabe que P se e só se:
S acredita que P
P é verdadeira
S tem uma justificaçao para acreditar que P

Assim, para uma proposiçao ser conhecida temos de acreditar nela, tem de ser verdadeira e tem de estar justificada, sem estas condições não é possivel ter conhecimento.

Nuno nº14 11ºC disse...

A teoria da crença verdadeira justificada defende que não há conhecimento sem crença. Sustenta que a crença tem de ser verdadeira e, além de verdadeira, tem também de ser justificada. Estas três condições necessárias isoladas não são condições suficientes para que haja conhecimento, contudo, o mesmo não se verifica quando juntamos as três condições. Quer isto dizer que não podemos conhecer algo em que não acreditamos; que não podemos conhecer falsidades; e que não há conhecimento se as nossas crenças, apesar de verdadeiras, não forem justificadas.
Resumindo, segundo a teoria da crença verdadeira justificada, o sujeito S tem conhecimento da proposição P (S sabe que P) se, e só se:
- S acredita que P;
- P é verdadeira;
- S tem uma justificação para acreditar que P.

Fábioo Silva disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas.
Esta defende que o conhecimento necessita de três condições:
Um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:

1. P é verdadeiro
2. S acredita que P é verdadeiro, e
3. S e justificado em acreditar que P é verdadeiro

Roxanne, 11ºC, nº19 disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas e que consiste num conjunto de condições que separadamente são necessárias mas em conjunto são suficientes para que determinado facto seja visto como um conhecimento.

Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada

Sara Oliveira 11ºC, Nº21 disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que para haver conhecimento, uma crença tem de ser verdadeira e justificável. Para obtermos a definição de conhecimento juntamos três condições, em que S é um sujeito qualquer e P uma condição qualquer:

S sabe que P se, e só se,
a) S acredita que P
b) P é verdadeira
c) S tem uma justificação para acreditar que P.

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada é um conjunto de princípios que especificam as condições de verdade de uma proposição em todos os casos possíveis. Ou seja, o sujeito S sabe que a proposição p é verdadeira se e somente se:
- S acreditar que p;
- p for verdadeira;
- S tiver uma justificação para acreditar que p.
Para uma proposição ser considerada conhecimento tem de ser verdadeira (pois se não existisse verdade seria impossível haver conhecimento), temos de a justificar e de acreditar nela.
Roberta Gomes nº18 11ºC

Tatiana disse...

A teoria da crença verdadeira justificada(CVJ), tem como principal objectivo explicar quando é que nos encontramos ou não perante um conhecimento proposicional. Esta teoria diz-nos, de uma forma resumida, que ter conhecimento(proposicional), é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas.
Existem 3 condições necessárias para que uma proposição seja considerada conhecimento: temos de acreditar nela, essa proposição tem de ser verdadeira e tem de estar justificada. No entanto, separadamente, nenhuma destas condições é suficiente para o conhecimento. Mas, se juntarmos as 3 condições, obteremos uma definição para conhecimento, em que S é um sujeito qualquer e p uma proposição qualquer.
Assim, o que a teoria da crença verdadeira justificada nos diz é que S conhece p, se e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. A crença de S em p está justificada

Portanto, se alguém tiver uma crença, se essa crença for verdadeira e se, além disso, houver boas razões a favor da verdade da crença, então essa pessoa tem conhecimento.

A ideia desta definição de conhecimento, dada por esta teoria, é que uma condição necessária e suficiente para ter conhecimento é ter uma crença verdadeira justificada.

Tatiana Raquel Gomes...nº22 11ºC

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é o mesmo que ter crenças verdadeiras justificadas. Defendendo que esse conhecimento requer três condições e que as condições são separadamente necessárias e conjuntamente suficientes. As condições são:
Para um indivíduo S e para qualquer proposição p, Se e só se S conhece p, então:
1. S acredita em P;
2. p é verdadeira;
3. a crença de S em p está justificada.

Imaginemos o seguinte exemplo:
"Eu tenho a certeza que vi um tubarão a voar numa noite estrelada de Julho."

Para eu conseguir afirmar que vi esse tal tubarão a voar a minha afirmação terá obrigatoriamente de seguir os passos "1,2 e 3"; em caso contrário eu não consigo provar que vi o tubarão a voar.

Alexandr Ostrovschii nº1 11ºC

Ricardo Silva 11ºC disse...

A teoria da Crença Verdadeira e Justificada diz-nos que há 3 condições para que um conhecimento seja proposicional. Estas condições, individualmente, são necessárias e em conjunto tornam-se suficientes para justificar o que é o conhecimento.
S conhece P se, e só se:
1- S acredita em P;
2- P é verdadeira;
3- S tem um justificação para P.
Assim para que exista conhecimento eu tenho que acreditar em algo, esse algo tem que ser verdadeiro e eu tenho que ter justificações para acreditar nesse algo, mesmo que as não saiba explicar. Isto porque o conhecimento não pode ser obtido ao acaso.

Miguel Tomás Nº8 11ºC disse...

Crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:
-P é verdadeiro
-S acredita que P é verdadeiro
-S apresenta uma justificação para acreditar que P é verdadeiro

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas. Defende que esse conhecimento requer três condições e que essas são separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes. Essas condições seguem o seguinte modelo:
Para um indivíduo S e para qualquer proposição p, Se e só se S conhece p, então:
1. S acredita em P;
2. p é verdadeira;
3. a crença de S em p está justificada.
Imaginemos o seguinte exemplo:
"Eu sei que os extraterrestres existem."
Para eu saber que os extraterrestres existem tenho que cumprir com aquelas três condições. Se não cumprir com uma das condições, então é falso que eu sei que há extraterrestres.

André Martins nº4 11ºc

Anónimo disse...

A teoria da crença justificada afirma que para haver conhecimento uma crença tem de ser verdadeira e justificada.
Para que tal aconteça são necessárias as três condições em que S é um sujeito qualquer e P uma proposição qualquer:
S sabe que P se e somente se:
1. S acredita em P.
2.P é verdadeira.
3. S tem uma justificação para acreditar que P.
Estas últimas, separadamente são condições suficientes para o conhecimento.
Consideremos o exemplo: "Há vida noutros planetas", se o sujeito que o diz sabe que é verdade então as condições 1, 2 e 3 são verdadeiras, caso contrário pelo menos uma das condições é falsa.

Ana Antunes nº4 11ºA

carina coelho disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é o mesmo que ter crenças justificadas. Este conhecimento é acompanhado de três condições necessárias (separadamente),mas suficientes em conjunto...

Assim, estas condições seguem a seguinte forma:
S conhece p se, e só se:
1- S acredita em p
2- P é verdadeira
3- A crença de S em p está justificada

Assim, quando eu tenho uma crença e esta for verddeira, tiver boas razões a favor dessa verdade e estiver justificada, eu tenho conhecimento...

Luís Ramos disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas e que consiste num conjunto de condições que separadamente são necessárias mas em conjunto são suficientes para que determinado facto seja visto como um conhecimento.
Um sujeito S sabe que P se e só se:
S acredita que P
P é verdadeira
S tem uma justificação para acreditar que P

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas. Defende que esse conhecimento requer três condições e que essas são separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes. Essas condições seguem o seguinte modelo:
Para um indivíduo S e para qualquer proposição p, Se e só se S conhece p, então:
1. S acredita em P;
2. p é verdadeira;
3. a crença de S em p está justificada.

Lígia Castro nº15 11ºA

Carla Duarte disse...

a teoria da crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:
P é verdadeiro
S acredita que P é verdadeiro, e
S e justificado em acreditar que P é verdadeiro
6 de Janeiro de 2012 16:42

Anónimo disse...

Crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:

P é verdadeiro
S acredita que P é verdadeiro, e
S e justificado em acreditar que P é verdadeiro

Ana Cruz 11ºc

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas.
Conclusão:
Para que qualquer indivíduo S e para qualquer proposição P, S conhece P se, e somente se:
1. S acredita em p
2. P é verdadeira
3. a crença de S em P está justificada.

Esta teoria sugere uma generalização. Afirma o que é o conhecimento para qualquer pessoa e para qualquer proposição p.
Por exemplo, suponhamos que S é um de nós e p é "Os extraterrestres existem". A teoria da crença verdadeira justificada diz que: se sabes que os extraterrestres existem, então os enunciados 1, 2 e 3 são verdadeiros. E se não sabes que os extraterrestres existem, então pelo menos um dos enunciados é falso. A expressão "se, e somente se" diz-nos que são dadas condições necessárias e suficientes para o conceito dado.

Daniel Azevedo Nº7 TªA 11ºAno

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada afirma que apenas há conhecimento se e só se, um sujeito (S) acredita que uma proposição (p) é verdadeira; a proposição (p) é verdadeira e esta tem de estar justificada.
Estas são condições são necessárias, mas não suficientes quando se encontram separadas, mas quando se consideram as três, são condições necessárias e suficientes, para haver conhecimento.

Ou seja, se:

.S acredita em p
.p é verdadeira
.a crença de S em p está justificada

Então, há conhecimento.

Daniela Coutinho nº8/11ºA

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada defende que não há conhecimento sem crença. Esta defende que a crença tem de ser verdadeira e justificada.
Estas três condições necessárias, quando juntas, formam um condição suficiente mas, quando se apresentam isoladamente deixam de o ser. Assim, não podemos:
- conhecer algo em que não acreditamos;
- conhecer falsidades;
- ter conhecimento se as nossas crenças, mesmo sendo verdadeiras, não forem justificadas.
Podemos apresentar isto segundo a teoria da crença verdadeira justificada. Assim, o sujeito S tem conhecimento da proposição P (S sabe que P) se, e só se:
- S acredita que P;
- P é verdadeira;
- S tem uma justificação para acreditar que P.


Sara Fernandes n.º20 11.ºC

Tiago Tojal disse...

A Teoria da Crença Verdadeira Justificada define três condições para que haja conhecimento. Vejamos: S conhece P se e somente se:

- S acredita que P;
- P é verdadeira;
- S tem uma justificação para acreditar que P.

José Alexandre Teixeira nº10 10ºC disse...

A teoria da crença verdadeira justificada resume-se em explicar as condições para que haja conhecimento do tipo proposicional. Com este efeito, o modelo seguinte:
Para que qualquer sujeito (S) e para qualquer proposição (P), s conhece p se e só se
S acredita em p
P é verdadeiro
a crença de s em p está devidamente justificada

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada consiste na definição dada por Platão, nomeadamente no seu diálogo Teeteto, onde este propôs distinguir uma mera crença do conhecimento.
Esta visão ficou conhecida por definição tradicional de conhecimento ou então definição tripartida de conhecimento, dado que eram necessárias três condições para definirmos conhecimento.
São elas: temos de acreditar em algo, ou seja, ter uma crença; esta crença tem de ser verdadeira, e tem de estar justificada, isto é, tem de haver boas razões a favor da verdade dessa crença.
No fundo, o que esta teoria defende é que uma condição necessária suficiente para ter conhecimento é ter uma crença verdadeira justificada. Apesar de, separadamente, nenhuma das condições ser suficiente para o conhecimento, tomadas conjuntamente parecem suficientes.
Um simples exemplo desta teoria, pode ser:
Se o João acreditar que vai passar de ano, se tiver boas razões para acreditar que vai passar de ano e se for verdade que ele vais passar de ano, então é porque o João sabe que vai passar de ano.

Andreia Silva 11ºA

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada consiste numa tentativa de definição de conhecimento. Os defensores desta teoria afirmam que para que haja conhecimento é necessário que tenhamos crenças verdadeiras justificadas, e que estas três proposições isoladas de nada servem. Pois tanto dizer que temos uma crença, como dizermos que temos uma crença verdadeira ou uma crença justificada não é suficiente para definirmos conhecimento. Pois se tivermos uma crença verdadeira podemos apenas tê-la por mera coincidência e podemos ter crenças justificadas falsas e também de nada servem, pois não são conhecimento.

Joana Vasconcelos nº13 11ºA

Anónimo disse...

Uma crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma que para uma pessoa ter conhecimento sobre uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira. A pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira e a crença deve ser justificada. Em termos mais formais, um sujeito S sabe que a proposição P é verdadeira se e só se:

P é verdadeiro
S acredita que P é verdadeiro, e
S e justificado em acreditar que P é verdadeiro.
A teoria da crença verdadeira e justificada afirma que existem três condições para que um conhecimento seja proposicional, e estas são necessárias isoladas e em conjunto suficientes.


Mariana Nogueira 11ºA nº16

Anónimo disse...

A definição de conhecimento como crebça verdadeira e justificada consiste em que as proposiçãos de um determinado argumento sejam verdadeiras e em que haja boas razões para acreditar no argumento. Uma crença não pode ser considerad conhecimento quendo se aplicam as duas condições, verdade e justificação, isoladamente assim ambas são condições necessárias á existência de conhecimento. Pois uma crença pode ser verdadeira e não estar justificada ou uma crença pode ter justificação mas ter proposições falsas. Esta definição de conhecimento é apoiada pelas seguintes condições:
S sabe que P apenas se:
S acredita que P
P é verdadeira
S tem uma justificação para acreditar em P
Ana Luísa nº2 11ººA

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada diz que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas. Defende que esse conhecimento requer três condições e que essas são separadamente necessárias, mas também conjuntamente suficientes. Essas condições seguem o seguinte modelo:

Para um indivíduo S e para qualquer proposição p, Se e só se S conhece p, então:
1. S acredita em P;
2. p é verdadeira;
3. a crença de S em p está justificada.

Ivo Farreca, 11º A

Carolina Silva 11º C nº9 disse...

Crença verdadeira justificada é uma definição de conhecimento que afirma para uma pessoa possuir conhecimento de uma coisa, essa coisa deve ser verdadeira, a pessoa deve acreditar que tal coisa é verdadeira, e a crença deve ser justificada.

Anónimo disse...

A teoria da crença verdadeira justificada é um conjunto de princípios que especificam as condições de verdade de uma proposição em todos os casos possíveis. Ou seja, o sujeito S sabe que a proposição p é verdadeira se e somente se:
- S acreditar que p;
- p for verdadeira;
- S tiver uma justificação para acreditar que p.
Para uma proposição ser considerada conhecimento tem de ser verdadeira (pois se não existisse verdade seria impossível haver conhecimento), temos de a justificar e de acreditar nela.

Tiago Melo nº19 11ºA

Anónimo disse...

A Teoria da Crença Verdadeira Justificada define três condições para que haja conhecimento. Esta teoria assenta numa generalização, ou seja, pressupõem-se que as três condições apresentadas acima se encaixam em qualquer contexto.
Define também que, para casos em que não há conhecimento, pelo menos uma das condições acima enumeradas é falsa; nos casos em que há, todas as condições são verdadeiras. Finalmente, aqui deparamo-nos com condições necessárias e condições suficientes, contextualizadas com a realidade em questão.

André Martins nº4 11ºc

Mariana Tavares nº17 11ºA disse...

A teoria da crença verdadeira justificada explica que ter conhecimento é a mesma coisa que ter crenças verdadeiras justificadas. Desta forma, podemos apresentar o seguinte:
Para um qualquer indivíduo S e para qualquer proposição p, S conhece p se, e somente se:
1. S acredita em p
2. p é verdadeira
3. a crença de S em p está justificada.

No fundo, esta teoria afirma uma generalizada. Imaginemos que uma pessoa S acredita em Deus. A teoria da CVJ diz que se S sabe que os Deus existe, então os três pontos do modelo apresentado são verdadeiros. Mas se S não souber se existe, então pelo menos um dos pontos é falso.

Anónimo disse...

a teoria da crença verdadeira justificada consiste em tentar mostrar duas condiçoes necessarias que em conjunto são a condição suficiente para haver conhecimento, por isso, é apresenta com a seguinte estrutura:

um sujeito S sabe que P se e só se:
S acredita que P
P é verdadeira
S tem uma justificaçao para acreditar que P

estas condições são necessárias e suficientes para que haja conhecimento em relação a um determinado conceito.


Ana Rita Almeida nº3 11ºC